Ivy-Levan-No-Good-2015

“O álbum é uma mistura de luz e sombra e tudo que temos no meio”

De vez em quanto a gente encontra umas artistas que vem realmente pra quebrar tudo aquilo que a gente conhece e que pode ser encaixar em música pop. Ivy Levan é uma americana que está tentando emplacar sua carreira musical desde os 16 anos, mas só agora, com 28, conseguiu um tão sonhado debut album.

Batalhadora, Levan tem sua carta na manga bem exposta. Ela é diferente de TUDO o que você ouviu ou ouve se colocando num estilo que ela chama de Swamp Pop. Caso você não saiba, o Swamp é um estilo musical que tem suas raízes no Rock, no R&B, no blues e no rockabilly dos anos 50 do sul dos Estados Unidos.

Protegida da Cherrytree Records, Ivy Levan tem um visual incrível de femme fatale vintage que é perfeitamente encaixado nas suas faixas. Foi em 2013, com seu EP de estreia que ela chegou ao mercado com as incríveis faixas do Introducing The Dame. Hot Damn, Money, e I Don’t Wanna Wake Up ganharam vídeos divertidos e que, juntos, formam uma trilogia. Uma história propriamente dita, cheia de caretas e ressaltando a sua estética diferenciada.

No fim do ano passado, depois de trabalhar todas as faixas desse EP e lançar um material natalino (O EP Frostbitten), ela deu o start na divulgação do seu debut, No Good, que a gente vai falar daqui pra frente. The Dame Says, faixa que também abre o álbum, nunca chegou a ganhar um clipe propriamente dito. Ficou só no ótimo Lyric video (que você pode ver acima) e mostrava que ela não era dona só de um EP fantástico. Já neste ano foi a hora de trabalhar pesado no primeiro single. Biscuit foi a faixa escolhida e, apesar de não ser melhor que The Dame Says, é um ótimo carro chefe.

Meu medo começou a ficar aparente quando percebi que ela estava começando a replicar a mesma fórmula sempre. Apesar de muito boa, poderia ficar cansativo pro público. Bastou um pouco mais de três meses para eu começar a mudar de ideia quando uma parceria com ninguém menos que Diplo veio a tona. E não, não ache que ela caiu nos batidões de EDM, foi o produtor que conseguiu fazer um som totalmente dentro da estética da americana e fora do que está acostumado com outros artistas, me surpreendendo positivamente com um mid tempo gostoso de escutar chamado 27 Club, fazendo menção clara aos famosos e incríveis que faleceram com 27 anos: Janis Joplin, Kurt Cobain e Jim Morrison.

O mundo achou que tal faixa seria o segundo single do seu álbum, mas ele foi divulgado no próprio canal da cantora e não oficialmente no Vevo. Ele foi encaixado como primeiro promo single do No Good. Logo depois tivemos uma pausa, Ivy converteu todas as suas forças para a trilha do longa SPY (A Espiã que Sabia de Menos aqui no Brasil). O resultado, acabou não entrando no seu álbum mas serviu para divulgar sua voz.

Voltando as tarefas de divulgação do seu material, Ivy finalmente estava pronta para divulgar sua tracklist e o segundo single oficial. A faixa escolhida foi a parceria com Sting, Killing You, que era seu primeiro trabalho mais para um lado de balada apesar de batidas animadas e cheias de estilo. A faixa, na minha opinião mostrava apenas que a cantora seria bem versátil no seu material de estreia. algo bem “estou tateando vendo onde me encaixo melhor.”. O resultado ainda não ganhou clipe e seguimos sem notícias dessa gravação.

As últimas semanas foi uma chuva de três promo singles No Good, Best Damn Thing e a já conhecida 27 Club. tudo pra ajudar a pré-venda e o lançamento do material no último dia 7 de agosto onde a gente pode perceber que até aqui as melhores faixas foram usadas. De um total de 11 composições, mais da metade a gente já conhecia antes do material ser lançado. Porém Ivy soube dosar bem e deixar ótimos materiais guardados.

Like a Glove (parceria com o rapper Cadre)é um material tão radiofônico que arrisco dizer que é a melhor faixa do álbum e poderia ser um HIT na sua carreira. Champagne Taste tem aquele sex appeal bem característico de Ivy. Misery e Johnny Boy são baladas propriamente ditas e também servem como prova que Ivy não é só louca das músicas com batidões. Nesse ponto é difícil eu falar que It Ain’t Easy é uma das melhores faixas. Eu já não consigo escolher uma preferida, mas sei que essa balada toca lá no fundo do seu coraçãozinho e merece um lugar digno.

Eu realmente quero que o ouvinte sinta essas músicas como a música da vida deles. Eu quero que todas essas faixas sejam as trilhas sonoras da jornada dessas pessoas […] Essa música me ajudou muito, e espero que ajuda os outros também.

Para a estreia, Ivy Levan trabalhou com seus parceiros criativos do seu primeiro EP, Lucas Banker (Selena Gomez) e Patrick Nissley. Desta vez, acompanhados por Tomo Milicevic de 30 Seconds To Mars, além dos citados Diplo e Sting. Se eu fosse resumir, eu colocaria ela como uma Aguilera com pitadas do estilo de Meghan Trainor e Amy Winehouse. Pode soar estranho, mas é melhor você se preparar pra se apaixonar. Não existe uma artista como Ivy Levan (By The Way, lê-se: Le-Von)

Ouça No Good completo no player abaixo:

Vai, comenta também! :)